Switch to English

Entrevistando Benj

185 Likes
@majutrindade 16 Maio 2023
blog

Eu sou Benj e tenho 24 anos. Localizado fora da Inglaterra, sou um fotógrafo de moda em tempo integral, entretanto o que você veria a respeito do meu trabalho on-line, é na maioria das vezes conteúdo relacionado à viagens, mas esse sou apenas eu fotografando as coisas legais que vejo! E é isso, nada mais acrescentado a isso, ou eu estou disposto a compartilhar muito com você haha. Eu mantenho minha minha vida pessoal privada, mas você consegue pegar um pouco dela no meu Instagram.

Bem, gostaria de começar contando para as pessoas como descobri o seu perfil! Um repost de um perfil de fotografias analógicas fez com que eu me apaixonasse pelo retrato de um animal peludo e chifrudo! Risos. As cores lindas e o animal fofo fez com que eu começasse a seguir o seu perfil e acompanhar o seu trabalho, aliás, aquele bicho é um touro? Não temos animais iguais no Brasil!

Benj: Aquele animal é uma vaca das terras altas! Elas são super peludas e na verdade, mesmo tendo chifres tão grandes, são bem calmas e amigáveis.

Como você iniciou sua carreira na fotografia?

Benj: A fotografia pra mim nunca foi algo que sonhei ou planejei fazer. Apenas aconteceu. Quando eu estava na escola, estudei arte e me disseram que eu poderia tirar fotos como uma forma de complementar as tarefas do curso ao invés de desenhar, então… como sou preguiçoso, eu fiz haha. Acabei gostando e comprando uma câmera e a partir daí comecei a sair com o propósito de tirar fotos. Tirar uma boa foto me dava o mesmo prazer que terminar um desenho, só que era mais rápido! Depois de um tempo, pessoas me disseram que eu não era tão ruim assim e que eu poderia trabalhar com isso, mas pelos primeiros 3, 4 anos eu não levei a sério. Foi somente nos últimos 2 anos que eu decidi que poderia fazer isso como um trabalho e agora sou um fotógrafo de moda em tempo integral.

Quais suas maiores inspirações e preferências? Existe alguma câmera ou marca que se tornou sua companheira? Algum filme favorito?

Benj: Muita de minha inspiração vem de videoclipes, pra mim eles são uma das formas mais criativas de arte visual. A liberdade criativa que eles carregam é insano e alguns vídeos faíscam ideias em minha cabeça de como eu poderia incorporar aquilo no meu próprio trabalho. Eu também amo me inspirar em obras de arte, como pinturas, eles as pintam perfeitamente com únicas composições de tal forma que se fossem fotografadas seria insano. Honestamente eu não me inspiro muito — na verdade nada — em fotografias por si só, além do que os meus amigos estão fazendo, eu não consumo muito do Instagram ou de lugares similares. Apenas mantenho minhas fotos falando comigo mesmo. No quesito de marcas, eu fotografo com a Leica porque eu sei que é confiável e não vai me deixar na mão quando estou no meio de uma montanha e o mesmo com o filme que uso, na maioria das vezes uso Porta 400. Eu tirei tantas fotos com ele que eu sei como expor para que fique com a cara que eu quero.

Você sempre teve contato com a fotografia analógica? Como foi introduzido a ela?

Benj: Eu só comecei a fotografar com filme no período do covid, porque eu tinha uma câmera antiga em casa e então decidi comprar online alguns filmes para ela. Meu estilo de edição digital pode ser comparado com uma digitalização em mesa, então começar a fotografar em filme foi um bom acréscimo, mas eu fiquei viciado. O processo e sua natureza lenta realmente me fizeram me apaixonar por fazer imagens que eu senti que tinham mais significado por eu estar conscientemente pensando no que eu estava fazendo. No entanto, antes de fotografar com filme não era algo que sequer estava no meu radar.

Qual o seu principal critério para criar uma fotografia? Eu, por exemplo, dou prioridade para a luz. Acredito que uma boa luz é responsável por 80% de uma boa foto. Você concorda?

Benj: Para mim uma boa iluminação é necessária, eu não irei fotografar se a luz estiver ruim, especialmente com filme, pois não vale a pena gastar filme com algo que não irá sair. Mas a respeito de iluminação, o que eu consideraria uma luz ruim para uma situação específica, pode ser a luz perfeita para fotografar outra coisa, então é sempre bom ter algo em mente se a luz acabar dando errado!

Ajustar e editar fotografias analógicas, é um crime (errado) na sua opinião?

Benj: Hahaha eu não acho nem um pouco que seja um crime ajustar a sua foto num editor. Você pode fazer ajustes conforme os negativos estão sendo escaneados e você pode escaneá-los de forma diferente todas as vezes, então colocá-la no lightroom para fazer mais alguns ajustes é o que eu esperaria que a maioria das pessoas fizessem. A não ser que tenham configurações de escaner muito precisas. Se esse for o caso, eles fazem a parte do lightroom ao escanear. E eu quero o melhor resultado da minha imagem. Não me entenda mal, eu fico maluco — em partes, porque não é possível devido ao tamanho dos arquivos, mas se tem uma pessoa ou um carro na minha paisagem usarei a ferramenta Carimbo para removê-los e então fazer a imagem que eu queria e a cena para qual fotografei.

Qual a sua dica para os jovens que estão lendo essa entrevista e gostariam de começar a clicar em analógico?

Benj: Para alguém que quer começar a fotografar em filme eu diria para simplesmente tentar e aprender o máximo que você consegue. Não espere que todas as fotos saiam perfeitas no começo e não pense que você precisa de uma Leica para tirar boas fotos. Pode ser desencorajador quando se começa fazendo fotos que simplesmente não saem, então certamente para o primeiro e segundo filme, não fotografe algo que você se importa muito já que ainda está entendendo como funciona. Apenas divirta-se e comece a errar cedo haha.

Follow @benj.story on Instagram.

Entrevista por: Maju Trindade.
Tradução por: Cristiana Khury.

Maju Trindade @majutrindade

Maria Júlia Trindade, mais conhecida como Maju, é uma influenciadora digital. Em 2016 teve um livro publicado, stylist formada em 2021 pelo IED, modelo, fotógrafa e dona de um Podcast. Atualmente faz parte de uma produtora de audiovisual como Diretora Criativa. Considerada um dos maiores fenômenos da internet brasileira somando mais de 12 milhões de seguidores.

Você também pode gostar
posts relacionados
  • 6 Junho 2023

    Collab Teabox — Maju Trindade X Talchá

    Nessa edição especial, Maju Trindade conecta ao universo talchá tudo que considera digno de ser lembrado, revivido, reverenciado.

  • 25 Abril 2023

    Entrevistando Maria Clara Guimarães

    Maria Clara tem 27 anos, é artista visual e mãe. Nascida em Teresina, Piauí, no nordeste do Brasil, e atualmente reside em Lisboa, Portugal. Iniciou sua jornada criativa trabalhando como tatuadora, mas logo descobriu uma verdadeira paixão pela pintura.

  • 12 Abril 2023

    welcome home

    A primeira publicação do meu blog precisava ser uma introdução mais detalhada sobre mim, apesar de muitos já me conhecerem. Amo contar histórias; de preferência, cronologicamente. Meus amigos dizem que eu enceno demais enquanto falo, mas na verdade, por ser uma pessoa muito visual, tento usar tudo o que posso para fazer a pessoa enxergar o que estou querendo que ela entenda. Pois bem, senta que lá vem uma longa história...